sábado, 4 de fevereiro de 2012

Lembre-se



Mas que sorte foi a que eu tive
De poder te conhecer
Encontrar alguém assim
É difícil acontecer.
Mesmo procurando bem
Ter-se alguém com quem falar
E também poder confiar
É bem raro eu merecer.

Não se preocupe menino
Disso sempre vou te lembrar
De que não sou como os outros
Que só querem te usar.

Ao saber o seu segredo
Que só a poucos falastes
Fiquei com medo, confesso,
Logo quando o revelastes
Mas foi algo passageiro
E fiquei feliz mais tarde
Por saber que, sem alarde
Você em mim se apoiastes.

Não se preocupe menino
Disso sempre vou te lembrar
De que não sou como os outros
Que só querem te usar.

Aparece, de vez em quando,
A você algum palhaço
Que, na verdade, só querem
É dormir no teu regaço
Tipo um mero objeto
E assim vão te iludindo
Maltratando, te ferindo,
Como se fosses de aço.

Não se preocupe menino
Disso sempre vou te lembrar
De que não sou como os outros
Que só querem te usar.

Mas eu, sim, sou diferente
Sou amigo de verdade
E nessas linhas eu gravo
Para toda eternidade
Que, para mim, és importante
Não mais um na multidão
E te digo, de coração,
Que me trazes felicidade.

Não te preocupes em vão
Leia e vais se lembrar
Pois não sou como aqueles
Não sirvo pra te usar.

Odisseu Castro.

2 comentários:

  1. ' Que lindo. Adorei. Parecem duas poesias traduzidas em uma. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Um excelente texto. PARABÉNS!

    ResponderExcluir